Os palestinos têm raízes judaicas?

  • 29/06/2020

Os palestinos têm raízes judaicas?

Os palestinos têm raízes judaicas? A pergunta pode soar fantasiosa. Mas não somente muitos judeus e palestinos compartilham do DNA notavelmente similar, há igualmente os costumes numerosos e mesmo os nomes que se sobrepõem.

Entre aqueles que têm pesquisado o tema está Tsvi Misinai, um empresário israelense que escreve e fala extensivamente sobre a conexão entre os palestinos e os judeus. Ele afirma que quase 90 por cento de todos os palestinos são descendentes de judeus que permaneceram em Israel após a destruição do segundo templo 2.000 anos atrás, mas foram forçados a se converter ao Islã.

De acordo com Misinai, os antepassados Hebreus dos palestinos eram moradores de montanha rurais que foram autorizados a permanecer na terra, a fim de fornecer Roma com grãos e azeite.

Enquanto Misinai é um defensor desta teoria, ele não é o único estudioso ou mesmo figura política para reivindicar uma conexão judaica para os palestinos. O primeiro presidente de Israel, Yitzhak Ben-Zvi, bem como o antigo primeiro-ministro David Ben-Gurion, escreveu vários livros e artigos sobre o assunto.

Ben-Tzvi sugeriu que os judeus que permaneceram na terra de Israel “amavam tanto a terra que estavam dispostos a desistir de sua religião.” A referência é a um édito no ano de 1012 pelo califa El-Hakim que ordenou que os não-muçulmanos para converter ou sair. O decreto foi revogado apenas 32 anos mais tarde, mas era tarde demais para a maioria dos convertidos. Só 27 por cento retornou ao judaísmo abertamente e até mesmo eles permaneceram Musta’arabi (culturalmente e linguisticamente árabe).

Jornalista Rachel Avraham, que trabalha para o canal 2 de Israel News, afirma que os judeus se converteram ao Islã, mas que veio muito mais recentemente – no início de 1900 o domínio dos turcos otomanos. Ela cita uma entrevista confidencial com um homem palestino que vive em Jerusalém, que diz que a conversão forçada foi uma resposta do sultão otomano depois de Theodore Herzl informou-o das intenções do movimento sionista na terra de Israel. “isso resultou no sultão enlouquecendo e certificando-se de que isso não aconteceria, embora ele tenha se abster de emitir um édito formal de conversão”, Avraham escreve.

Ela também menciona uma família judaica sefardita vivendo em Bayt iTab, perto de Beit Shemesh, que começou a realizar orações de sexta-feira, “tanto na sexta-feira e sábado para que os otomanos seriam enganados em acreditar que eles não eram judeus.” Ela acrescenta que os palestinos locais usam a expressão “ele é um Cohen” para se referir a alguém que é sábio. “Por que eles usam esse termo [quando] a maioria dos palestinos não sabem o que é um Cohen?”

Se suas raízes judaicas voltam 100 ou 1.000 anos, Ben-Gurion foi tão longe a ponto de criar uma força-tarefa chefiada por Moshe Dayan para desenvolver formas de “judaizar” os beduínos, ensinando-lhes sobre a vida judaica moderna com um objetivo para integrá-los com o povo israelense – se não religiosamente, então etnicamente. O programa acabou por cair quando Dayan convenceu Ben-Gurion que a ideia iria perturbar o mundo islâmico.

Mais recentemente, o Rabino israelense Dov Stein ofereceu sua própria estimativa que até 85 por cento dos palestinos do lado oeste do rio Jordão descendem dos judeus.

Misinai elabora em sua tese sobre as raízes judaicas dos palestinos em seu livro 2008, O irmão não erguerá a espada contra o irmão. Ele afirma, por exemplo, que o 1919 acordo de cooperação entre o Emir Faisal e Chaim Weizmann, que mais tarde se tornaria o primeiro presidente de Israel, baseava-se numa herança compartilhada.

“As proclamações de Faisal de parentesco com os judeus eram mais do que o serviço labial”, diz Misinai. “A linha paterna de Faisal foi Hachemita… mas a mãe de seu avô materno, rei On, foi descendente de uma família de convertidos judeus forçados ao Islã que imigraram para a margem leste do Jordão, mais tarde retornando a uma das aldeias a oeste do Jordão. Ao contrário de hoje, quando Faisal estava crescendo a origem judaica da mãe de seu avô era conhecida e eles não fizeram nenhum grande esforço para escondê-la.

Na verdade, Misinai diz que “mais da metade” dos palestinos sabem sobre suas raízes judaicas, que incluem tradições judaicas, tais como acendimento das velas na noite de sexta-feira, sete dias de luto (vs. o usual três na maioria das comunidades islâmicas), a circuncisão no oitavo dia (Brit Mila), e mesmo vestindo Tefillin (phylacteries). Este último foi feito geralmente por alguém que estava doente, especialmente por aqueles que sofrem de dores de cabeça. O Tefillin da cabeça seria colocado na testa com as correias enroladas em torno da cabeça da pessoa e apertado. Infelizmente, hoje, “diferente de entre algumas pessoas, o verdadeiro significado do Tefillin foi perdido”, diz Misinai.

“Vários palestinos passaram por uma conversão formal”, acrescenta Misinai, enquanto outros tomaram práticas judaicas e “dizem que não precisam se converter porque sabem que já são judeus.” Várias famílias palestinas possuem antigas hanukkiot que eles usam no meio do inverno, geralmente em torno do tempo de Hanukah, diz Misinai. Algumas casas têm recuos na ombreira para uma mezuzah (embora o pergaminho em si está geralmente ausente).

Entre os palestinos mais conhecedores de ascendência judaica são vários clãs grandes nas colinas perto de Hebron e entre os beduínos no Negev. Não somente sabem de sua herança, eles “têm mesmo as árvores da família que documentam suas raízes… seus vizinhos chamá-los-iam os Judeus,” mesmo que fossem tecnicamente como muçulmano como qualquer um mais, Misinai diz.

Em uma das aldeias da área de Hebron, um líder tribal descreve a história judaica de seu clã. Em uma partida da tese principal de Misinai, Muhammed Amsalem explicou em uma entrevista com Aharon Granot da Ravista Mishpacha, que “nossos anciãos nos dizem que nossos antepassados vieram a esta terra durante a Inquisição espanhola, via Marrocos. Eles se instalaram em Ramle. Então os Mamelucos forçaram-nos a converter-se ao Islão, e mudaram-se para a zona sul de Hebron.”

O antigo nome do clã família Amsalem-Maahamra significa “enólogo”, um comércio que é proibido pelo Islã. Porque o Maahamras convertido relativamente tarde na história, ainda mais “secreto” são costumes que foram preservados. Um homem no clã Amsalem tem um pequeno livreto Hebraico de Salmos com o qual ele continua a orar até hoje.

Em 1982, os líderes da aldeia Palestina de Bidya se ofereceram para se alistar no IDF para lutar no Líbano. “A origem judaica de muitos dos clãs de Bidya é um fato bem conhecido, ainda hoje”, diz Misnai.

Misinai uma vez entrevistou um líder beduíno que disse que seu povo “não tinha escolha a não ser converter. Isso foi há séculos. Lembro-me de minha mãe e avó não acender fogo no sábado e eles tinham um especial Mikveh” (um banho ritual).

Mesmo em Gaza, há palestinos de ascendência judaica, diz Misinai – ainda maior do que o 90 por cento que ele afirma para o resto da região.

Nem todos concordam com as ideias de Misina. O arqueólogo americano Eric Cline relatou em seu livro, Jerusalém sitiada que os historiadores “concluíram geralmente que a maioria, se não todos, os palestinos modernos são provavelmente mais proximamente relacionados aos árabes de Arábia Saudita, do Yemen, de Jordão, e de outros países [e que] os movimentos principais daqueles árabes na região ocorreram após 600 CE.” O xeque Hussein, guardião dos lugares sagrados islâmicos da Arábia, afirmou que os ancestrais dos palestinos só estão na região há 1.000 anos.

Escritora de “A imprensa judaica”, Rachel Avraham acrescenta que, de acordo com outros estudiosos, “após a peste negra e cruzadas em 1517, apenas 300.000 pessoas foram deixadas na terra de Israel, dos quais 5.000 eram judeus… muitos dos antepassados dos palestinos modernos vieram do Império Otomano tardio e precocemente viveram no período do mandato britânico. Durante o período do mandato britânico, 100.000 árabes de países vizinhos imigraram para a Terra Santa”.

Misinai continua convencido. Entre a evidência para as raízes Judaicas antigas dos palestinos seja nomes – lugar e nomes da família. Aldeias como Kfar Yassif, Kfar kana e Kfar Yatta raramente aparecem em outros países de língua árabe, diz Misinai.

Yitzhak Ben-Zvi, em seu livro 1932 Os povos de nossa terra, acrescenta que cerca de 227 aldeias e locais a oeste do rio Jordão tinham nomes que eram semelhantes ou o mesmo que as comunidades judaicas nos mesmos locais durante a época do segundo templo. “Se de fato os assentamentos judaicos se tornassem habitados por pessoas inteiramente diferentes, eles não teriam preservado os nomes hebraicos”, diz Misinai. Isso é o que aconteceu no lado leste do rio Jordão, ele aponta.

A aldeia de Kawazbe, no leste próximo da fonte Etzion, é considerado por ambos os judeus e palestinos locais para ser uma corrupção de Kuzeiba, o nome original de Bar Kochba, que liderou a rebelião contra os romanos quase 2.000 anos atrás. Não muito longe, em uma aldeia Palestina perto da comunidade judaica de Tekoa, um ancião da aldeia explica que seu avô era um judeu que se converteu ao Islã.

Rabino israelense Stein adiciona isso, “até cerca de 200 anos atrás, a aldeia da Galiléia de Sakhnin era uma cidade judia com uma sinagoga ativa. Os turcos pressionaram-nos a converter-se ao Islão, mas as pessoas lá sabem que são de origens judaicas.”

Em seguida, há muitos nomes de família, que não têm raízes em árabe – como o Abulafias de Jaffa que são descendentes dos 13th século judaico espanhol kabalista rabino Avraham Abulafia; os Almogs de Jenin; e o Dawouda (de Davi) clã de Hebron. Misinai afirma que há mesmo alguns 4.000 convertidos forçados ao Islã que vivem na Jordânia com o nome hebraico Cohen.

Em 2011, Misinai produziu um curta-metragem, demonstrando visualmente algumas das coisas que ele escreveu em seu livro. No filme, há visitas a aldeias e cidades palestinas onde a estrela judaica de Davi ainda pode ser vista em casas e edifícios públicos.

Outra pista pode ser encontrada na linguagem. Todo o caminho de volta na década de 1890, O Instituto para a pesquisa de Israel relata que o dialeto palestino do árabe contém muitos termos e palavras não encontrados no árabe padrão, mas que resultam em vez da integração do Hebraico e do aramaico (aramaico foi a língua falada por muitos dos judeus no mundo antigo e é a língua que o Talmude Babilônico está escrito.)

Os estudiosos acreditam que esses “judeus ocultos” da terra de Israel falaram exclusivamente em aramaico recentemente como os dias das cruzadas e, em 1974, moradores de uma aldeia Palestina no local da antiga Ofra bíblica eram cristãos que falavam aramaico. Por que isso é significativo? Não-judeus que se converteram ao cristianismo em seus primeiros dias provavelmente teriam falado grego. Um grupo que se apegava ao aramaico seria mais provável ter raízes judaicas.

A comida é muitas vezes uma pista para as raízes judaicas, e para muitos beduínos, animais não-kosher são proibidos. Além disso, como os fabricantes de Israel da Matzah aprenderam, em torno da Páscoa, as vendas de pão não-fermentado em aldeias palestinas e cidades vai ao alto. Existe apenas um gosto para Matzah entre os palestinos ou tem mais a ver com um costume religioso antigo?

O registro genético fornece a evidência mais marcante das raízes judaicas dos palestinos. Um estudo de 2001 pelo pesquisador espanhol Prof. Antonio Arnez – Vilna na revista Imunologia humana mostra que o sistema imunológico dos judeus e os palestinos são extremamente próximos uns dos outros. Outro estudo, em 2002, descobriu que apenas dois grupos no mundo – judeus ASHKENAZI e palestinos – eram geneticamente suscetíveis a uma síndrome de surdez hereditária.

Prof. Ariela da escola de medicina de Hadassah realizou um estudo genético internacional que faz ressaltar as conclusões de “surpreendentemente perto” Judaico-árabe de semelhanças genéticas. Ele diz que seu estudo mostra que tanto judeus quanto árabes em Israel estão ligados aos curdos de Aram na Babilônia – o berço do patriarca Abraão. “É claro que somos da mesma família”, declara.

Em 2012, Harry Ostrer, professor de Pediatria e patologia na faculdade de medicina Albert Einstein, no Bronx, Nova York, e Karl Skorecki, diretor de desenvolvimento médico e de pesquisa no campus de cuidados de saúde Rambam em Haifa, determinaram isso, “os vizinhos genéticos mais próximos da maioria dos grupos judaicos foram os palestinos, beduínos israelenses, e drusos (além dos europeus do Sul, incluindo os cipriotas).”

A pesquisa de Ostrer em “Os filhos de Abraão na era do genoma”, publicado em outubro de 2012 em O jornal americano de genética humana, sampleou 652.000 variantes de genes de cada um dos 237 indivíduos independentes de sete populações judaicas: iraniano, iraquiano, sírio, italiano, turco, grego e Ashkenazi. Essas sequências foram então comparadas com amostras de referência de não-judeus extraídos o projeto genoma humano. Cada uma das populações judaicas, a pesquisa encontrada, “formou seu próprio aglomerado distintivo”, indicando sua ancestralidade compartilhada e “isolamento genético relativo.”

Se Misinai está certo, e se as evidências científicas, arqueológicas e genealógicas o apoiam, há, sem dúvida, mais a ser descoberto sobre a surpreendente história judaica dos palestinos no Oriente Médio.

REFERÊNCIA:

https://Shavei.org/Palestinians-Jewish-Roots/

Tradução: Mário Moreno

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Ensinando pelo exemplo

FONTE: http://guiame.com.br/colunistas/mario-moreno/os-palestinos-tem-raizes-judaicas.html

Aplicativos


Locutor no Ar

Raycompany

Classicos de Ouro

18:00 - 19:59

Peça Sua Música

Nome:
E-mail:
Seu Pedido:


Top 5

top1
1.

top2
2.

top3
3.

top4
4.

top5
5.

Anunciantes